Blog

6 dicas de SEO para e-commerce

Por Marcos Manhães | Analista de Business Inteligence na Go! Mídia

Há muito se fala sobre Search Engine Optimization (SEO) como uma ação primordial para que um site seja achado no Google e em outros mecanismos de busca. As atualizações feitas nos algoritmos desses mecanismos são voltadas, cada vez mais, para a boa experiência do usuário, dando ênfase a sites com conteúdo relevante, de qualidade, seguros e acelerados para dispositivos móveis. Neste artigo, destaco seis pontos importantes de SEO para e-commerce.

 

Os profissionais que trabalham com SEO estão cada vez mais especializados, e as ferramentas existentes no mercado facilitam muito a análise e a otimização dos sites. Mas é bom frisar que o bom senso de quem planeja um site é parte fundamental do processo, e esse é um atributo que as máquinas não possuem.

 

Um site é feito para cumprir um objetivo específico. Pode ser institucional, apenas com informações sobre a empresa e seus serviços. Também pode ser um concentrador de conteúdo sobre determinados assuntos, um portal de entretenimento e notícias variadas, uma loja virtual etc. Cada um deles terá uma estrutura diferenciada e, com certeza, terá especificidades no momento da otimização para mecanismos de busca. É claro que, grosso modo, as técnicas são as mesmas. Alguns deles, porém, como um e-commerce, têm seus diferenciais.

 

Veja abaixo uma lista de 6 dicas de SEO para e-commerce.

 

1. Otimize sua loja para dispositivo móvel

 

Segundo pesquisa do IBGE, 92% dos lares brasileiros possuem pelo menos um aparelho celular. Esse tipo de dispositivo é o principal meio de acesso à internet, sendo utilizado por 96,4% dos usuários. De 2016 para 2017, houve um crescimento de 31% nas compras on-line feitas através de dispositivos móveis.

 

Os dados acima mostram a importância de ter uma loja otimizada para dispositivos móveis. Antes de contratar uma plataforma de e-commerce veja se eles têm essa preocupação. Desde 2015, o Google já prioriza sites mobile friendly.

 

2. Gere sitemaps e submeta-os ao Google Search Console

 

Um sitemap é um XML que contém a estrutura hierárquica de um site. Os mecanismos de busca leem o arquivo e são informados sobre o que deve ser indexado. Essa também é uma função do Robot.txt, que veremos mais adiante. O sitemap reflete a organização lógica de um site, por isso é extremamente importante que a estrutura seja pensada estrategicamente no momento de sua concepção.

 

3. Aprimore suas meta tags

 

As meta tags são marcações que ajudarão o crawler (indexador) a entender do que se trata determinada página. As mais importantes para um e-commerce são <TITLE> e <DESCRIPTION>. A primeira é o título da página e deve conter mandatoriamente a palavra-chave (nome do produto, categoria etc.). A segunda servirá para descrever a página. Apesar de não ser um critério direto de indexação, a meta Description vai influenciar a experiência do usuário, que tende a clicar no link que possui a melhor descrição. Isso aumenta o CTR (taxa de clique), que é um dos critérios de page rank. Uma descrição bem-feita deve conter entre 135 e 157 caracteres. Se ultrapassar essa quantidade, a descrição será cortada nos dispositivos móveis. O texto deve conter a palavra-chave da página (nome do produto, categoria etc.), ser direto e ter um call to action, tal como “acesse”, “confira” etc.

 

4. URL amigáveis

 

As URLs, assim como o título da página, são lidas pelo indexador e devem ser amigáveis, ou seja, nada de caracteres especiais, pontuação e muitas palavras que não fazem referência ao produto e/ou à categoria. Se o e-commerce for de instrumentos musicais, uma URL amigável do produto “Guitarra” seria instrumentosmusicais.com.br/instrumentos-de-corda/guitarra. Dessa forma, os três critérios de amigabilidade de URL são atendidos:

 

Semântica — uma URL bem estruturada deve ter sentido semântico. Deve ser fácil dizer do que se trata determinada página simplesmente examinando sua URL;

 

Relevância — uma URL semanticamente correta também permite conseguir maior tráfego de referência nos motores de busca pelo uso de palavras-chave diretamente na URL;

 

Linkagem – URLs bem escritas ainda facilitam a ancoragem de textos quando copiadas e coladas como links em fóruns, comentários de blogs, mídias sociais e outras fontes on-line.

 

5. Descrição dos produtos

 

Cada produto tem suas funcionalidades e benefícios que devem ser ressaltados nas descrições. Além disso, as descrições devem ser únicas. Descrições iguais de um produto em sites diferentes são muito malvistas pelos indexadores.

 

6. Heading Tags

 

As tags de marcação de cabeçalho servem para mostrar ao indexador quais são os assuntos da página. São utilizadas de h1 a h6. É muito importante seguir a hierarquia das tags, deixando o h1 para o assunto principal da página. Se a página for de um produto, o nome do produto deve ter a tag h1. O h2 pode ser a descrição e o h3 pode ter as avaliações.

 

Lembre-se

 

As 6 dicas de SEO para e-commerce listadas acima de nada adiantam se o conteúdo não for relevante e amigável para o usuário. Uma vez encontrada, uma loja virtual deve facilitar a vida do visitante para que ele ache o que está procurando e finalize a compra o quanto antes. Se não efetivar a venda, tente outro ponto de contato futuro por meio de remarketing ou captação de e-mail para que esse potencial comprador entre no funil de vendas do Inbound Marketing.